Pesquisar este blog

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Tempos extremos, de Míriam Leitão


O livro é narrado em várias camadas históricas,  em que o passado ocupa um lugar central na narrativa, que transita das cicatrizes da escravidão aos subterrâneos do regime militar, até os dias de hoje. Fazendo um breve resumo dos personagens dessa história, podemos fazer da seguinte forma:
Maria José, mãe de quatro filhos, perdeu seu marido muito cedo e criou seus filhos praticamente sozinha. Hélio, o filho mais velho, um rapaz que tinha uma personalidade metódica e cheia de regras, resolveu seguir a carreira militar após o golpe de 64 e se formou nas Agulhas Negras em 1970. Acabou não sendo prestigiado pelas Forças Armadas e se aposentou mais tarde como general de pijama. Teve um filho, André, formado em física, de que falaremos mais adiante.
Alice seguiu um caminho totalmente diferente. Em 1968 começou sua carreira revolucionária. Grávida de Carlos (seu marido), foi presa juntamente com seu companheiro, que foi torturado no batalhão da Polícia do Exército na rua Barão de Mesquita na Tijuca, Rio de Janeiro, de onde desapareceu sem deixar nenhum vestígio. Alice transformou-se numa prisioneira eterna de uma guerra já encerrada. Sua gravidez acabou gerando uma menina dona de uma incrível sensibilidade chamada Larissa, que ao longo de sua vida profissional trocou o jornalismo pelo estudo de história.
Sonia é uma mulher descolada. Ao contrário dos outros irmãos, resolve investir na profissão e é a mais bem-sucedida financeiramente da família. Emocionalmente bem resolvida, vive minisséries afetivas com homens com a mesma perspectiva de classe escolhida por ela, ou seja, ricos, não importando o estado civil deles.
Marcos passou a juventude sonhando em ser músico, mas se frustrou e nunca conseguiu ter uma estabilidade financeira. Raciocinando dentro dos parâmetros atuais, alguns poderão chamá-lo de looser, ou seja, um perdedor. No entanto, com o seu jeito relax, não conseguiu uma profissão fixa. Um homem que precisa se reinventar sempre. Ele, através de seu enorme repertório musical, dá o fundo musical de toda essa história.
Nessa história familiar existem dramas insanáveis, como a relação entre Alice (revolucionária e torturada) e seu irmão Hélio (militar com convicções muito próximas aos seus superiores na época da ditadura). Com a prisão de Alice, grávida de sua filha Larissa, e o desaparecimento do marido, Carlos, nos tempos da opressão, Hélio (o irmão militar) virou inimigo número um de Alice.